Mulheres importantes do cinema – Dia internacional da mulher

Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, tem como origem as manifestações das mulheres russas por melhores condições de vida e trabalho e contra a entrada da Rússia czarista na Primeira Guerra Mundial. Essas manifestações marcaram o início da Revolução de 1917. Entretanto a ideia de celebrar um dia da mulher já havia surgido desde os primeiros anos do século XX, nos Estados Unidos e na Europa, no contexto das lutas de mulheres por melhores condições de vida e trabalho, bem como pelo direito de voto.

No Ocidente, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado no início do século, até a década de 1920. Na antiga União Soviética, durante o stalinismo, o Dia Internacional da Mulher tornou-se elemento de propaganda partidária. Nos países ocidentais, a data foi esquecida por longo tempo e somente recuperada pelo movimento feminista, já na década de 1960. (Wikipedia)

As mulheres obtiveram grandes conquistas, isso não podemos negar, ainda assim a mulher sofre muita pressão ainda. Ultimamente tenho visto falar muito na redes sociais(aka Facebook) sobre o papel da mulher. Mesmo com todo o espaço que a mulher conquistou, muita coisa ainda precisa mudar.

O teste de Bechdel é um exemplo de como podemos ver o reflexo disso no mundo do cinema. O teste, que ganhou o nome de sua criadora, ajuda a descobrir se um filme tem ou não participação feminina relevante, seguindo essas três regras:

  1.  Tem no mínimo duas mulheres, com NOMES.
  2.  As mulheres conversam uma com a outra
  3.  Sobre alguma coisa que não seja um homem.

Nessas regras um filme que se encaixa muito bem é O mágico do Oz. O filme possui 3 personagens importantes, a PRINCIPAL, a VILÃ e a SÁBIA.  O site garotas geeks falou muito bem sobre o teste Bechdel.

As mulheres sempre foram tema nas artes, e no cinema não foi diferente, seguindo a ideia de que a vida imita a arte, a arte imita a vida, veja a seguir filmes que de alguma maneira retrata sobre temas envolvendo as mulheres:

Os filmes da disney costumam retratar mulheres como protagonistas, e com as ultimas princesas criadas, as antigas andam sofrendo até uma certa repressão por sua postura conformista (também devemos nos ater ao fato que os filmes refletem ideais da época que foram feitos). Um dos filmes mas revolucionários nisso é Mulan (mesmo que ainda existam discussões sobre seu titulo de princesa), ela é forte, vai atrás do que quer, prova que pode fazer o mesmo que os homens fazem, e como se já não bastasse essas suas qualidades, a garota salva a China, o que não é para qualquer um.

Ficheiro:Pôster de Frozen.png

Frozen, um dos filmes mais comentados recentemente, devo admitir que não esperava grande coisa do filme, me surpreendeu positivamente. Todo a parte artistica foi muito bem desenvolvida, como não seria diferente em um filme da Disney, mas o roteiro trouxe o que podemos constatar como grande mudança nos filmes da Disney. Se em Valente, Merida desafia a necessidade de casamento, e demostra uma postura mais ousada que de outras princesas, Frozen consolida isso. O filme poderia seguir a linha de amor verdadeiro, príncipe encantado, e esses clichês tão comuns em filmes disney, mas o filme mostrou como a maneira de enxergar a mulher vem mudando. Alerta de spoiler. Logo no inicio do filme vemos Elza negar a benção do casamento da irmã, argumentando que ela não poderia casar com alguém que acabou de conhecer (tive vontade de bater palmas quando ouvi isso).

Anna mostra-se uma personagem inocente e podemos dizer até “conformada” com relação ao campo amoroso, mas a personagem evolui durante o filme e acorda para a realidade. O grande trunfo em Frozen, na minha opinião, é que em vez de mostrar o amor de kristoff salvando Anna, quem a salvou foi sua irmã. O amor fraternal foi colocado acima do amor romântico, e só por isso já torna a visão do filme muito boa. Hans se revela o vilão, algo que eu também achei bom no filme, já que é um vilão de boa aparência, que não é comum em filmes Disney, e isso mostrou uma postura em relação a julgar os outros pela aparência muito importante também. Além disso, Elza é uma grande personagem, com a cabeça no lugar, ela e responsável e sensata, e termina o filme SOLTEIRA, DIVA, RAINHA.

Acho mini-série é muito melhor que o ultimo filme feito

Frozen me lembra um pouco, Razão e Sensibilidade, de Jane Austin, já que em ambas as histórias as irmãs são opostas nessa maneira de ver o mundo, Alerta de spoiler , as irmãs da obra de Jane Austin aprendem a ter equilíbrio na razão e na emoção, assim como as irmãs em Frozen. Jane Austin, foi revolucionaria em sua época, suas personagens sempre foram figuras fortes, que questionam o papel da mulher na sociedade, e em Razão e Sensibilidade, o casamento é o principal assunto debatido. Tema que mesmo nos dias atuais ainda é algo cobrado as mulheres, casar e ter filhos não é mais uma obrigação, mas ainda é uma cobrança latente na nossa sociedade.

Coco Chanel podemos afirmar que é a grande figura feminina no mundo da moda, revolucionaria, usava roupas do guarda roupa masculino e cabelo curto, o seu famoso corte Channel. Era mulher a frente do seu tempo, e se hoje, nos mulheres podemos usar calça, é graças a ela. O filme Coco antes de Channel retrata muito bem os preconceitos e dificuldades que Gabrielle Bonheur Chanel passou para firma-se como mulher que não era de ficar sentada, esperando o príncipe encantado.

Flor do Deserto conta a história de uma somaliana que foge de um casamento arranjado e vai para Londres onde trabalhou até se tornar uma grande modelo. Inspirada na história real da modelo Waris Dirie, que sofreu mutilação genital, uma pratica ainda feita em alguns lugares na Africa. a história dela mostra como mesmo nos tempos atuais, as mulheres árabes sofrem

Duas series atuais que me chamaram a atenção nisso do papel da mulher, foi Master of sex e Reign.

A primeira por se passar nos anos 50, e apesar de tratar especificamente sobre sexo, a serie mostra outros temas em relação a mulher. A principal representação disso está na personagem Virginia, mãe solteira, cursando faculdade, e querendo firmar-se no mundo médico, que até essa época era dominado pelos homens. Além de Virginia, outras personagens também tem sua relevância, seja pela postura de ir contra as ideias da época, ou até as mulheres que são conformadas e concordam com as ideias da sociedade. Uma frase que me marcou muito a respeito da série é a em que uma mulher vai ao hospital aonde a história se passa, e comenta que jamais aceitaria ser atendida por uma médica. Essa frase para mim, resume exatamente o que a serie tenta mostrar, e devo dizer que em certos momentos da série você chega a se revoltar com as situações das mulheres nos anos 50. A série estreou ano passado e possui até agora 12 episódio.

Já Reign conta a história da jovem rainha da Escócia Mary Stuart, mesmo sendo de época, certos temas são mostrados como casamento, poder de voz da mulher, papel dela na sociedade, entre outros temas. Além disso, as personagens são fortes, em especial a protagonista (que concordamos que no mundo das series a principal não ser uma sonsa está raro) e a rainha Catherine. A serie estreou ano passado e está atualmente em exibição a sua primeira temporada.

Uma serie animada que também pode ser considerada importante é Meninas super poderosas, sim, esse desenho mesmo que você está pensando. Ele possui muitas personagens femininas importantes, boas ou más. A importância da mulher é questionada principalmente em um episódio pela vilã Femme Fatale.

menções louváveis: O Sorriso de Mona Lisa, Frida , Anna Karenina e A dama de ferro.

Com isso podemos ver que as coisas realmente mudaram, mas ainda há muita coisa para mudar, ainda existem mulheres sem poder de voz, que são obrigadas a casar, não podem dirigir, nem votar. Ainda as mulheres são julgadas por suas roupas e atitudes (o famoso papo de não se dar ao respeito). Ainda ganhamos menos que homens e mesmo trabalhando ainda são cobradas a saber cozinhar, cuidar da casa e dos filhos enquanto o marido não. O dia da mulher não é apenas para homenagear aquelas que se foram na luta pelos seus direitos, e não é para diminuir a importância do homem, mas para valorizar nós mulheres, que somos fortes e merecemos respeito, não apenas hoje, mas todos os dias.

Veja aqui também uma lista com mais filmes que tratam sobre a mulher, feita por
Karen Käercher

Esta entrada foi publicada em inicio, séries em série, telinha, Uncategorized com as etiquetas , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s